Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Farmácias e farmacêuticos por cá

por chocochino, em 11.11.12

Tendo em conta que emigração não é só passeio e comida falta abordar a questão profissional que acaba por ocupar uma grande parte do nosso tempo.

 

Depois da incerteza e insegurança que acompanha a adapação inicial a um novo país e um novo sistema, acrescida do facto de lidar-mos com situações que afectam a saúde e bem estar das pessoas, creio que tudo se começa a encaixar e a fazer sentido e tudo o que no inicío poderiam parecer situações inultrapassáveis fazem agora parte do passado.

 

Tendo em conta que a farmácia que vim gerir era uma farmácia nova em que nenhum do staff alguma vez tinha trabalhado nesta área (vinham de outras secções do hipermercado ou tinham trabalhado anteriormente em pubs) e eu (recém chegado ao país) é que tinha de lhes explicar o funcionamento das coisas (muitas das quais novidade para mim) até que tudo correu bem, elas (as colegas), apesar de pouco sabedoras da área da saúde são muito esforçadas e motivadas por aprender e aliado à cultura da Asda estão habituadas a hierarquia e rapidamente seguem as minhas ordens e orientações. Tudo isto faz com que não haja grande dificuldade de implementação de novos métodos, nem resistência a qualquer tipo de mudança.

 

Após o primeiro mês de abertura da farmácia temos sido bastante elogiados pelos nossos resultados (a nível do valor de vendas), mas que tem muito a vez com a nossa localização junto a uma clinica de urgencias e o facto de quase toda a terra vir fazer compras à Asda. Mas é sempre bom ser-se elogiado!

 

Quanto à profissão em si, existem algumas diferenças em relação à Irlanda e uma imensidão em relação a Portugal:

 

- Uma das principais é a nível cultural, aqui a lei é seguida à risca, não há as zonas cinzentas que havia na Irlanda, nem a miscelânia de cores que há em Portugal e assim nem nunca ninguém sequer se lembra de ir à farmácia pedir um antibiótico sem receita (o que facilita bastate a vida ao farmacêutico).

- A dispensa é em dose unitária como na Irlanda.

- Todas as receitas passam pelas mão do farmacêutico que é o responsável final por tudo o que ocorre da farmácia. Aqui ainda são mais rigorosos do que na Irlanda e nenhum produto exclusivo de farmácia pode ser vendido (sejam OTCs ou mesmo receitas já prontas à espera que o paciente as venha buscar) sem que o farmacêutico esteja presente, no espaço físico da farmácia, e assim muitas vezes quando volto depois de uma ida à casa de banho tenho a assistente de balcão com uma caixa de paracetamol (por exemplo) na mão em frente à caixa registadora e um cliente em frente à espera que eu chegue para fazer a venda e para os cliente é perfeitamente normal e sinal de que as coisas são feitas com segurança.

- A nível de serviços clínicos encontro a maioria das diferenças, pois aqui aposta-se muito na participação das farmácias comunitárias na prestação de serviços, como, testes de colesterol, diabetes e hipertensão, revisão de terapêutica, acompanhamento de pacientes que recebam medicamentos novos (consulta inicial de explicação, contacto após 2 semanas e consulta final ao fim de 1 mês a fim se averiguar se o paciente está a encontrar alguma dificuldade com a nova medicação), consulta e dispensa pelo farmacêutico de certos inaladores para a asma, viagra para a disfunção erectil e medicação para prevenção da malária.

 

Conclusão: está a ser uma boa experiência e certamente, ainda com muita coisa por descobrir

 

PS: Novo post com respostas às perguntas mais frequentes sobre a emigração para o Reino Unido / Inglaterra

http://nadadebaixodacama.blogs.sapo.pt/4594.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22


43 comentários

De Marta Inês a 27.01.2013 às 23:39

Olá, adorei este post. Estou a terminar este mês o meu curso em ciências farmaceuticas e por cá está tudo muito dificil.... Eu propria, para nao estar em casa sem fazer anda, vou trabalhar de graça para uma farmacia, para poder ganhar mais conhecimentos.
Gostaria de saber como faço para poder trabalhar na Inglaterra e o que é necessário, visto eu não ter nenhum conhecimento das regras na Inglaterra.

De chocochino a 28.01.2013 às 12:21

Olá Marta.

Obrigado pelo comentário.
Não é só em Portugal, é um pouco por toda a Europa que o mercado de trabalho para farmacêuticos está a ficar negro, mas por enquanto Inglaterra não está tão mal como Portugal.

O principais passos para procurar emprego no Reino Unido são:
- fazer um CV em inglês
- pesquisar sites de emprego e contactar agencias de recrutamento
- inscreveres-te na GPhC (equivalente da nossa ordem dos farmacêuticos)
- inscreveres-te na CPPE (site de formação continua à distância)

Mas se quiseres mais detalhes envia-me um email para
travellersjournal@gmail.com e eu envio-te uma descrição mais detalhada (já o fiz anteriormente para outros colegas) e alguns links que te podem ajudar.

Boa sorte

De jose patricio a 29.01.2013 às 22:45

Boa noite

O meu nome é José Dias tenho 31 anos e sou farmacêutico na ilha da madeira a 8 anos. Tirei a minha licenciatura na ULFF em 2005, e desde essa altura ate agora que desejei ir trabalhar para outro pais. Já em 2005 pensava rumar para a Irlanda mas infelizmente deixei me ficar, agora as coisas estão muito complicadas.
Procurei vários blogs para ver se encontrava algum com farmacêuticos na Irlanda mas nada feito... Gostaria de saber se sabe alguma coisa coisa sobre como é a vida de um farmacêuticos portugueses na Irlanda . Não sei se já esteve lá a trabalhar como deu ideia no blog. Dada a sua experiencia como emigrante qual o pais que escolheria: Irlanda ou uk ?

Atentamente

Jose Dias

De chocochino a 30.01.2013 às 14:49

Olá José.

De facto, eu terminei o curso em 2004 e a 1 de Janeiro de 2006 estava a aterrar em Dublin e fiquei a trabalhar na Irlanda até 2010. Depois de uma passagem pela China comecei a trabalhar em Inglaterra em 2012.

A Irlanda, sendo um país muito mais pequeno que o Reino Unido acaba também por ter muito menos farmacêuticos Portugueses do que por cá onde existe uma autêntica comunidade de farmacêuticos portugueses.

Quanto ao trabalho na Irlanda, como referi no post, é muito mais semelhante ao que se pratica por Inglaterra (exceptuando os serviços farmacêuticos) em relação ao que estamos habituados em Portugal.

Quanto a qual o país melhor para emigrar, depende muito do que se pretende:

Na Irlanda as pessoas são extremamente simpáticas e acolhedoras, tendo de lá muito boas recordações.
As infrastruturas estão menos desenvolvidas que no Reino Unido, nomeadamente a nível de estradas e transportes públicos.
A nível de emprego as coisas estão muito mais díficeis do que estavam em 2006 em qualquer um dos lados: no Reino Unido há sempre oferta (pois há sempre farmacêuticos a entrar e sair do país) mas os salários estão a descer e experiência é um requisito generalizado.
A nível de inscrição nas Ordens locais o processo também é bastante semelhante.

Se estás realmente interessado o meu conselho é veres as ofertas de emprego em ambos os lados e os requisitos e como se enquadram com o teu CV. Foi assim que eu acabei por ir a Irlanda da primeira vez... por vezes o acaso é o melhor conselheiro :)

De Monique a 17.05.2016 às 13:32

Meu nome é Monique, sou farmacêutica formada em 2009 atuo na verdade na área industrial. Existem oportunidades para brasileiros em Portugal?

De chocochino a 19.05.2016 às 08:37

Oi Monique.

Oportunidades existem sempre o problema é que existem muitos farmaceuticos formados em Portugal com dificuldade em conseguir emprego portanto para agarrar essas oportunidades existe muita concorrencia e assim terás de ter um curriculum bastante forte ou ser capaz de demonstrar porque te contratar a ti e nao a um farmaceutico licenciado em Portugal.

De Jose Patricio a 01.02.2013 às 08:38

Olá outra vez (chocochino),

Andei a navegar pelos teus blogues e caíu-me o queixo com a tua aventura na Ásia. Para além de achar que és extremamente corajoso, veio-me logo à cabeça o que fará alguém querer sair da Irlanda para ir para a China ensinar inglês?!? Não tou aqui a questionar os teus motivos e a minha namorada era sufientemente maluca para fazer uma coisa dessas.
Neste momento tou mais inclinado para a Irlanda porque penso que haverá menos farmacêuticos e a vida será mais calma, visto que daqui a pouco tempo vou ser pai.Fazes ideia acerca do futuro profissional de um farmacêutico na irlanda, tendo em conta que a troika também aterrou lá e a Inglaterra começa a mostrar vontade de sair da UE.

Tenho dois amigos que já fizeram uma viagem longa pela Irlanda e foram unânimes em falar muito bem das pessoas, mas uma coisa são férias outra bem diferente é trabalhar! Achas que os portugueses são bem aceites pelos irlandeses, não se notam traços de xenofobia ou desprezo pelos imigrantes, como em algumas zonas da inglaterra?

Neste momento estou a acabar um curso de Inglês para fazer o CAE (Certificate of Advanced English) em junho - penso que será uma mais valia em termos curriculares. Pelo menos parece que o exigem para a Inglaterra.

Neste momento tenho trabalho e até um bom ordenado tendo em conta a situação que o país atravessa, mas tenho sempre a vontade de melhorar. Contudo, há sempre aquele receio de estar a dar um passo maior que a perna e perder tudo o que já consegui. Num primeiro momento nem sequer ponderava levar a família atrás, mas se as coisas corressem bem esse seria o passo seguinte. o problema é que as coisas teriam de correr mesmo muito bem porque a minha namorada trabalha na Saúde Pública e, pesando bem as coisas, a Inglaterra oferece muitos benefícios sociais, que eu desconheço se também existem na Irlanda.

Agradeço a tua disponibilidade e as tuas explicações. Se te lembrares de mais alguma coisa que me possa ajudar a esclarecer estas dúvidas agradeço-te.
Um abraço e continua a escrever porque os teus blogues são impecáveis,

José Patrício

De chocochino a 01.02.2013 às 19:18

Obrigado pelos comentários a cerca dos blogs. Comecei a escreve-los um pouco como um diário, ou mesmo um álbuns de recordações e de momentos sui generis " para mas tarde recordar, rir ou mesmo chorar com eles. Mesmo agora, quando me dá a nostalgia volto a lê-los.

A ideia da China surgiu muito por culpa da convivência com amigos e conhecidos irlandeses que se tinham aventurado por esse campo do ensino de inglês em lugares tão dispares como o Vietname, Camboja , China ou Japão. A necessidade de ir surgiu um pouco de um acumular de rotinas e da necessidade de fazer algo diferente... é difícil de explicar... (identifico imenso o que se passou com esta musica: http :/ www.youtube.com /watch?v=D9zq6Ggzjoc) Acabámos na China por culpa do acaso e adorámos toda a esperiência.

Se procuras um sitio mais calmo para assentar com a família sem dúvida que recomendo a Irlanda. As pessoas são impecáveis e desde que não te importes com o chuvisco permanente e verões em 25C é uma coisa apenas vista apenas a cada década vais-te dar bem.

Quanto a xenofobia existe alguma quanto a estrangeiros mas principalmente aqueles menos qualificados e exilados politicos que vivem à custa da segurança social. Nos 5 anos que lá vivi fui sempre extremamente bem tratado. E toda a gente te pergunta o que é que um português faz na Irlanda quando temos Sol em Portugal...

Quanto a beneficios sociais a Irlanda tinha-os até em demasia (talvez a necessidade do FMI) para as classes baixas e desempregados. Por exemplo a licença de maternidade era paga a um valor fixo, independentemente do ordenado, o que era excelente para quem tivesse baixos salários e péssimo para salários elevados. O subsidio de desemprego era vitalício. Uma ida às urgencias do hospital era gratuita para quem tivesse baixos rendimentos, eu fui lá uma vez e paguei €100. Tudo isto à cerca de 3 anos atrás.

Quanto à formação em Inglês, nunca me pediram qualquer curso ou exame de inglês quer quando fui para a Irlanda, quer quando vim para Inglaterra (apenas quando fui para a China, mas aí ia ensinar a língua) mas se a tiveres será sempre uma mais valia e motivo de destaque de outros CVs. Quando fui apenas tinha o inglês obrigatória do ensino secundário apenas mais tarde fiz o Proficiency in English de Cambridge.

Se quiseres investigar mais a possibilidade deixo-se aqui alguns sites:

-PSI (o equivalente da nossa ordem - registo obrigatorio para farmaceuticos) http ://www.thepsi.ie/gns/registration/pharmacists/overview.aspx

- Uma agencia de recrutamento irlandesa - http ://www.cplhealthcare.com/

- site de aluguer e compra de casas - http ://www.daft.ie/

Mais alguma coisa vai dando notícias.

De João Pedro Quirino a 14.04.2013 às 11:08

Olá, gostaria de te fazer umas perguntas já que me pareces estar muito bem informado.
Sou farmacêutico com experiência de farm. comunitaria de 1 ano e meio, já tentei algumas vezes procurar emprego em inglaterra só que esbarrava sempre nas especializações farmaceuticas que fazem ai.
Em varias feiras de emprego os recrutadores ingleses dizem-me que o mercado está saturado e já estão muitos farmaceuticos sem emprego
A minha questão é se isto é mesmo verdade e senão quais são os melhores sites agencias para procurar (inglaterra ou irlanda)

De chocochino a 16.04.2013 às 10:41

É verdade que o mercado está saturado, quanto a haver farmacêuticos no desemprego não se será verdade, pois com a possibilidade de trabalhar como locum acabam sempre por trabalhar alguns dias por semana.

Quanto ao problema das especializações, as mais comuns e requiridas são MUR (Medicines Usage Review) e NMS (New Medicines Service) que se estiveres mesmo decidido em vir para Inglaterra podes fazer à distância através destes sites:

http://www.skillsformurs.co.uk/redirect/Redirect.action
http://www.cppe.ac.uk/

o primeiro custa cerca de €100 e o segundo é gratuito para membros da GPhC ou também tem algum custo para não membros.

A principal dificuldade é conseguir o primeiro emprego no Reino Unido porque depois de ter experiência é bastante mais fácil mudar.

Ficam aqui algumas agências:
http://bestpersonnelpt.webs.com/
http://www.prospect-health.com/
http://www.ppruk.com/

e podes também procurar em sites gerais como:
http://ec.europa.eu/eures/
http://www.jobisjob.co.uk/

De Sara Macedo a 23.04.2013 às 18:16

Boa Tarde!

Chamo-me Sara, tenho 27 anos e sou do Porto.
Tenho 2 anos e meio de experiencia em Farmacia Comunitaria e fiquei desemprega recentemente.
Como nao e novidade, em Portugal o emprego nesta area tambem ja e escasso e pensei em Inglaterra e Irlanda porque ja tinha visto algumas ofertas em anos anteriores, mas eis que no fim de semana passado fui a uma feira de emprego onde estavam empresas de recrutamento de profissionais de saude para o estrangeiro.
Infelizmente nao vi nada nesta area mas falei com um funcionario de uma empresa que me disse que farmaceuticos para o Reino Unido era muito dificil porque teria de ter experiencia la.
Entretanto estou a tirar um Curso de Ingles intensivo para melhorar o meu nivel.
Gostava de saber se o que me foi dito na feira de emprego e verdade e que hipoteses acha que poderia ter com a minha experiencia?


Peço desculpa pela falta de acentos mas estou com um problema no computador.

Atenciosamente

Sara Macedo

De chocochino a 25.04.2013 às 10:15

É verdade que o mercado está extremamente competitivo e difícil para quem não tem experiência. Eu, o ano passado, demorei vários meses até conseguir o lugar que queria (tinha experiência na Irlanda mas não no Reino Unido).
Mas não quer dizer que seja impossível, é uma questão de persistência, procurar nos sites de emprego, contactar várias agência de recrutamento, quer da Irlanda, quer do Reino Unido, porque num momento podem não ter vagas e noutro podem já ter. Podes também tentar contactar directamente as várias cadeias de farmácias e saber se estão a recrutar farmacêuticos da união europeia (Loyds, boots, morrisons, tesco, asda, rowlands, superdrug, sainsbury, etc). A loyds até ao ano passado recrutava muitos farmacêuticos vindos de fora do reino unido, naõ sei se continua...

De Joana a 26.05.2013 às 19:35

Olá!
O meu nome é Joana , tenho 26 anos e sou farmacêutica. Dadas as circunstâncias económicas que Portugal atravessa e o estado "caótico" que a maioria das farmácias vivem na actualidade tem me feito pensar que a opção passa por emigrar.
Queria perguntar-lhe se é necessário o registo prévio na ordem?Ou será a agência de recrutamento que trata desses procedimentos?Pois sei que a inscrição na GPhC é demorada e cara! Acha que é melhor um farmacêutico inscrever-se na ordem e só depois começar a enviar CV's?
Ou ao contrário?
Estou a ponderar ir para UK , Irlanda ou Escócia.

Obrigada

P.S. Agradeço-lhe pelo post pois parece-me bastante útil para farmacêuticos que queiram emigrar.

De chocochino a 26.05.2013 às 23:17

Pois é Joana, as coisas em Portugal não estão nada bem mas também em Inglaterra não é garantido arranjar emprego neste momento, cada vez são mais os farmacêuticos a quererem emigrar. Mas se estás decidida a tentar sem dúvida que recomendo que te inscrevas na ordem - GPhC (General Pharmaceutical Council) primeiro e incluas o número de inscrição no CV antes de o enviares pois em muitos dos anúncios de emprego a incrição prévia na GPhC é um requisito obrigatório.

Quanto ao processo em si não é assim tão demorado quanto isso, depende de quanto tempo demoras a tratar da papelada em Portugal, a maioria trata-se na nossa Ordem e com um advogado para as autenticações de cópias. O custo deve andar à volta dos €600 incluindo um ano de quotas. Para todos os detalhes vai ao site deles http://www.pharmacyregulation.org/registration/registering-pharmacist/eea-qualified-pharmacists e lê a documentação.

Para trabalhar em Inglaterra, Escócia, Gales ou Irlanda do Norte (Reino Unido) tens que te inscrever na GPhC por outro lado para a Republica da Irlanda já é uma ordem distinta que é a PSI (Pharmaceutical Society of Ireland).

De Marta a 08.06.2013 às 18:22

Boa tarde doutor, acabei agora o meu mestrado em ciências farmacêuticas e estou a pensar trabalhar na Inglaterra perto de wisbech onde tenho uma amiga a morar. Gostava era de antes de me meter nesta aventura procurar um emprego, pode dar me alguma dicas de onde posso procurar? E ja agora quanto ganha o farmaceutico aí e qual o custo de vida? Obrigado

De chocochino a 08.06.2013 às 20:16

Olá Marta.

Com o mercado bastante competitivo, como está neste momento, encontrar emprego em Inglaterra pode ser um processo demorado, mas não impossível (dependendo da perseverança).

Quanto a empregos e salários nada como pesquisares em sites de emprego para farmacêuticos e veres o que se poderia enquadrar com as tuas qualificações e horarios pretendidos:
http://www.chemistanddruggistjobs.co.uk/
http://www.flamehealth.com/

Ficam aqui algumas agências:
http://bestpersonnelpt.webs.com/
http://www.prospect-health.com/
http://www.ppruk.com/

e podes também procurar em sites gerais como:
http://ec.europa.eu/eures/
http://www.jobisjob.co.uk/

Quanto ao custo de vida a comida no supermercado não é muito mais cara que em Portugal, gasolina e carro são semelhantes, restaurantes, cafés e transportes públicos esses sim são mais caros.
alugueres de casas podes pesquisar aqui:
http://www.rightmove.co.uk/

Se te decidires a vir para Inglaterra é imprescindível inscreveres-te na GPhC e fazeres algumas acreditações com MUR e NMS como já referi noutros comentários.

De Marta a 11.06.2013 às 22:48

Obrigado pela ajuda :)

De Jose Patricio a 18.06.2013 às 23:25

Viva boa noite

Espero que esteja tudo bem por esses lados já que a algum tempo não escreve nada e sou um fiel seguidor do seu blog.

O meu nome é José Patrício , já anteriormente mandei um email porque estava na duvida entre a Irlanda é UK.

Entretanto já dissipei a minha duvida. IRLANDA com certeza ;). Como disse anteriormente estava para ser pai e para fazer CAE do british council. Entretanto já fui pai e já fiz o exame mas este ultimo correu mal logo tenho de excluir o UK. De qualquer modo estava mais inclinado para irlanda...

Ja tenho as recomendaçoes e as indicaçoes da ordem PSI para a incrição.
Penso que nas proximas semanas vou estar ocupado com tanta traducão de documentos.

Tenho algumas duvidas neste processo, uma delas esta relacionado com a tradução e autenticação das copias dos certificados. Sera que as escolas de linguas tem competencia para traduzir e autenticar? Não é necessario ir a embaixada da Irlanda em portugal, para fazer a tradução e autenticação?

Outra questão é um dos pontos que o PSI pede e passso a citar

A photocopy of your registration certificate OR licence to practice together with original translation (if appropriate)

Sera que eles querem a tradução do cartão da carteira Profissional?

Estive a ler atentamente os documentos e explicaçoes e fiquei um pouco confuso nesta parte. Desculpe estar a fazer perguntas tecnicas mas fiquei um pouco preocupado porque se algo estiver mal mandam a papelada toda para tras e queria mandar so uma vez.

Estava a pensar em me candidatar ao periodo de setembro.

Gostaria de saber se sabe como é que a situação dos farmaceuticos esta neste momento na Irlanda. Tenho mandado CV para algumas agencias de recrutamento mas não tenho tido feedback nenhum.

Obrigado e felicidades

De chocochino a 19.06.2013 às 22:05

Olá José,

Muitos parabéns pela paternidade!

Obrigado pelos comentários sobre o blog. De facto tenho andado um pouco distraido com outros projectos e descurado um pouco o blog, talvez por pensar que ninguém se interessa muito por ele... é sempre encorajador ouvir comentários como o teu :)

As traduções, como eles referem no information pack têm de ser feitas por um tradutor oficial... O que eu entendo por isso é que querem alguém com um carimbo que diga que é tradutor. Eu quando tratei do meu processo acabei por ir a uma escola de linguas da minha terra e foi lá que me deram o contacto de uma tradutora que fez a tradução dos meus documentos carimbou e assinou e tudo foi aceite.

Quanto ao registration certificate creio que também tive a mesma duvida na altura mas como dizia "if apropriate" acabei por não enviar nada e também não me pediram. Como a nossa ordem tem de enviar o nosso registo para lá creio que é tudo o que eles precisam.

Quanto ao emprego na Irlanda as coisas não andam famosas, não havendo muitas vagas anunciadas e assim sendo torna-se mais dificil para quem não tem experiencia lá. Mas não há nada como ser persistente e procurar todos os dias nos sites.

Boa sorte

De chocochino a 22.05.2014 às 23:40

Olá José,

Não sei se chegaste a te inscrever na PSI, arranjaste emprego na Irlanda ou se ainda estás por Portugal.

Se ainda estiveres interessado na Irlando tenho de momento conhecimento de uma vaga a trabalhar para o meu antigo empregador lá em que ele está a considerar farmacêuticos portugueses sem experiência na Irlanda.

Se quiseres saber mais detalhes envia-me um mail

travellersjournal@gmail.com

De Joana a 20.06.2013 às 01:40

Boa noite!
Quando efectuou a inscrição no GPhC incluiu a apostilha de Haia ? Ou enviou os documentos sem isso?
Fiquei um pouco confusa pq nao sei se isso é obrigatório .
Mais uma vez muito obrigada pelo blog .
Cumprimentos, joana

De chocochino a 20.06.2013 às 09:05

Quando me inscrevi na Irlanda na PSI enviei os documentos com apostilhas e eles ficaram a olhar para aquilo sem saber bem o que era... Agora quando me inscrevi na GPhC não enviei nada com apostilhas e foi tudo aceite. Tudo o que eles exigem é que as cópias sejam certificadas por um solicitador registado no Reino Unido.

De Joana a 20.06.2013 às 14:08

Obrigada pela brevidade na resposta !!
Cumprimentos e Bom Trabalho

De chocochino a 05.08.2013 às 09:29

Quando digo solicitador registado no reino unido, queria dizer advogado registado no reino unido...

De Jose Patricio a 03.08.2013 às 21:48

Boa noite chocochino

O meu nome é José Patrício um dos fieis seguidores do seu blog. Já anteriormente entrei em contacto consigo sobre algumas duvidas sobre a Irlanda. Neste momento já enviei a papelada toda para o PSI e estou a aguardar resposta :)

Entretanto quando estava a pensar que não iria passar o CAE (Certificate in Advanced English) requisito obrigatório para me inscrever e exercer a profissão de farmacêutico no UK , quando saiu o resultado qual o meu espanto tive C (PASSEI). Tinha já excluído a hipótese de ir para o UK mas a vontade reacendeu a semana passada depois de mandar os documentos para a Irlanda.

Agora já estive a ler os requisitos para a GPhC e estou a pensar em inscrever me pelo sim pelo não. Claro que irei desembolsar mais uns 600 euros e pelo que vejo não há trabalho para EEA pharmacists.

Deparei me com algumas duvidas nos requisitos nomeadamente nas certificações, eles pedem um Solicitador, Notario, ou oficial da embaixada Inglesa. Infelizmente o consulado Inglês aqui na Madeira já fechou e já tentei contactar a embaixada em Lisboa para pedir esclarecimentos mas o horário deles é muito restrito e não consigo falar com eles. Já estive a ver uma lista de advogados que eles têm no site mas não vi nenhum Solicitador.

A minha duvida é como devo certificar estes documentos? Pode ser um notário português? Um daqueles advogados da lista que eles têm faz isso? Como é que o chocochino fez no seu caso? Consegue recomendar me algum advogado que já esteja habituado ao processo? Penso que estes é o ponto mais difícil alem dos 600 euros de Fees . Sniff

Socorro preciso de ajuda

Obrigado e tudo de bom para sim

PS: Não sei se faço bem em inscrever-me nas duas Ordens????

De chocochino a 05.08.2013 às 09:27

Começo pelo fim, quanto a estares-te a inscrever nas duas ordens pedende do que estiveres disposto a gastar com o processo pois são dois processos dispendiosos e sem garantia de emprego imediato. Se te decidires a completar a inscrição na GPhC recomendo que faças de seguida a creditação em MUR e NMS para depois teres mais hipóteses nas tuas futuras candidaturas.

Quanto aos pormenores práticos:
- Certificação de documentos - como dizes tem de ser "um Solicitador, Notario, ou oficial da embaixada Inglesa"
- A embaixada Inglesa, pelo menos em Lisboa, não faz (ou não fazia) certificações a cidadãos não britânicos,
- O notário, é uma novidade em relação à altura em que me inscrevi em que não existia essa hipótese, portanto não te posso exclarecer quanto a isso - em caso de dúvida contacta a GPhC
- O "solicitador" convem esclarecer que a palavra Solicitor em inglês é mais perto de advogado (em termos de funções) do que solicitador em Portugal. - E foi por esta via que eu fiz as minhas certificações quando me inscrevi. Tal como tu obtive a lista de advogados do site da embaixada britânica e contactei uns quantos para saber quais eram "UK registered solicitors" e acabei por contactar a seguinte em Lisboa que estava bastante habituada a tratar destes processos para farmacêuticos:

Teresa Patrício da Silva – Advogada / English Solicitor

Email: teresa.patricio@palaw.com.pt

Tel: + (351) 21 798 10 30 Fax: + (351) 21 798 10 38

Av. da República, nº 41, 9º

1050-187 Lisboa - PORTUGAL

www.patricio-law.com



PS: parabéns pela passagem no CAE!

De Jose Patricio a 11.08.2013 às 12:02

Viva chocochino

Obrigado pela informação que me deu em relação a advogada, foi muito util e permitiu poupar imenso tempo.

Entretanto em principio no mês de setembro devo deslocar-me a Irlanda para a interview do PSI ;).

Estive a procurar mais alguma informação em relação a EEA pharmacists no UK e aparentemente é necessario também fazer um estagio e 2 testes para poder exercer. Calculation e Law and Ethics. Ja estive a ver alguma coisa sobre isto e parece um pouco complexo principalmente o calculation. Tive no site da Amazon a ver livros para fazer estes testes mas não sei qual o mais indicado, por acaso têm ideia de algum que me possa recomendar?

Infelizmente tambem constatei que ja não ha recrutamento para EEA pharmacists, analisei os sites todos das cadeias de farmacias e sites de emprego que recomendou. A Boots era a unica que tinha um site especifico para EEA pharmacists mas infelizmente ja mandei varios mail e não obtive qualquer resposta. Faz ideia se alguma delas brevemente esta a recrutar EEA pharmacits?

Muito obrigado e tudo de bom para si

Jose Patricio

Claro que ainda tenho de me isncrever na ordem e fazer as acreditaçoes e estágio mas parece uma missão quase impossível entar no mercado de trabalo no UK neste momento. Felizmente a inscrição na ordem não necessita de interview, assim depois de tar inscrito vou fazer as acreditaçoes e esperar que haja alguma oportunidade.

Grande abraço e muito obrigado

De chocochino a 16.09.2013 às 12:58

Olá José,

Desculpa a demora na resposta, mas estive primeiro sem net e depois sem laptop durante algumas semanas.

Já foste à interview na Irlanda? Eles chamam-lhe interview mas é basicamente um sessão de boas vindas...

Quanto ao UK apesar de algumas cadeias farmaceuticas (ex:boots e lloyds) terem programas especificos para EEA não quer dizer que não possas trabalhar sem passar por esses programas. O estágio e os exames de calculation e law and ethics não são requisitos legais para trabalhar no UK são apenas requisitos de algumas farmácias para garantir a qualidade dos farmaceuticos q veem de fora. Eu não tive de fazer qualquer desses exames portanto não posso dar muitas recomendações.

um abraço

De Ana Santos a 04.11.2013 às 18:40

Olá chocochino. Chamo -me Ana e sou farmacêutica. Quando acabei o curso em 2011, mesmo sabendo que o mercado em Portugal estava mal, nunca pensei que ao final de 2 anos, continuasse a ter empregos precários.
Neste momento pondero emigar para o Reino Unido. Estive a ler com atenção o teu blog e dás informações muitos importantes. No entanto, nem sei por onde começar, devido ao número de dúvidas que tenho.

Aqui vão algumas:
1 - O emprego que tens em Inglaterra foi através de uma empresa de recrutamento ou foi por resposta a um anúncio?
2 - È obrigatório ter algum curso de inglês?
3 - Pelo que li, tem que se fazer a inscrição na GPhC (o equivalente á nossa Ordem em Portugal) no entanto não percebi o que é o MUR e o NMS de que falas...

Obrigada e tudo de bom para ti :)

De chocochino a 04.11.2013 às 23:30

Olá Ana,

Realmente é sempre desanimador ouvir estas notícias quanto ao mercado de trabalho em Portugal. Mas também em Inglaterra as coisas andam cada vez mais complicadas com cada vez menos oportunidades, embora sem dúvida ainda bem melhor do que em Portugal.

Quanto às tuas dúvidas:
1. Eu pessoalmente consegui o meu actual emprego por intermédio de uma agência depois de vários meses e vários contactos com agências e resposta directa a anúncios.
2. O curso de inglês não é requisito mas será uma mais valia tanto a nível de CV como da tua própria confiança para trabalhar num outro país, com outros sistemas e outra língua.
3. A inscrição na GPhC (General Pharmaceutical Council) é o único requisito legal (para cidadãos da EU) para se poder exercer a profissão farmacêutica em Inglaterra. Fica aqui o link para os requisitos para a inscrição: http://www.pharmacyregulation.org/registration/registering-pharmacist/eea-qualified-pharmacists
4. MUR (Medicines Usage Review) e NMS (New Medicines Service) são alguns dos serviços clinicos que os farmacêuticos fazem em inglaterra que é basicamente uma revisão terapêutica ou um acompanhamento em casos de nova medicação e sendo bastante bem remunerados existe uma certa pressão para que sejam feitos e entre vários farmacêuticos a concorrer ao mesmo posto motivo preferêncial de escolha para aqueles que possuam essa acreditação. Mais uma vez não é um requisito para se trabalhar mas uma mais valia para o CV (Na minha opinião ainda mais importante do que a qualificação em Inglês para o empregador)

Espero que isto ajude.

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D